Pesquisas / Ensaios
Video Intervenção - 2002

Video intervenção - Presença Presente A

"> O



Video intervenção - Presença Presente B

"> O


Representação Vs Realidade

O trabalho propõe um diálogo real entre dois tempos distintos: a imagem de uma figura previamente gravada (tempo passado), projetada sobre uma porta ou sobre uma tela (tempo presente).
São diálogos atemporais que constroem uma relação tempo-espaço-deslocamento no campo visual.
Estas imagens foram produzidas e editadas sem fundo e, quando projetadas sobre esses objetos na escala real, criam uma perfeita relação entre a imagem projetada (representação) e a tela ou porta utilizada como suporte de projeção (realidade).

Surgem nesse momento inevitáveis questionamentos:

- Qual é o território da representação e os seus limites?
- A tela ou porta é mero pano de fundo ou componente da própria obra?
- Nessa vídeo-intervenção, qual é o suporte e qual é a superfície?
- A representação ocorre no suporte? ... qual? ou na superfície?... qual?.
- Conceitualmente, como fica a relação entre a figura e o fundo?



 

o
Alinhamentos - 2006

Alinhamentos 1

">o




Alinhamentos 2



Alinhamentos 3



Alinhamentos 4



Alinhamentos 5



Alinhamentos 6



6 X TEMPO
Galpão Sta. Marcelina - 2004


Representação Vs Realidade



Representação Vs Realidade


Representação Vs Realidade



Representação Vs Realidade


Recortes Ambientais
Por GEORGIA LOBACHEFF - 2004

Interessado na aproximação de um Tempo PASSADO com um Tempo PRESENTE, Waldo Bravo nos coloca diante de uma interferência no ambiente da exposição que desafia nosso olhar. A idéia de substituir um espaço por uma imagem deste mesmo espaço leva o espectador a se defrontar com dois tempos: o tempo passado do registro e o tempo presente do espaço em que estamos habitando por algum momento. Obviamente, o espectador encontra um único ponto de vista ideal para observar esta obra e conseguir perceber a sobreposição.
Estamos aqui diante de um trabalho que trata de uma questão muito pertinente à contemporaneidade: a substituição da realidade por uma imagem dela, ou seja, o simulacro. Vivemos em um momento de simulação em que diversas emoções são vividas através da imagem e não mais da realidade. Nossos modelos deixam de ser reais e passam a ser construídos em torno de imagens idealizadas de um mundo virtual. A questão da representação está, portanto, em transformação já que o que buscamos representar não é mais a realidade e sim um simulacro.
No trabalho de Waldo uma outra faceta se impõe: a questão dos limites da obra, ou seja, do seu suporte e campo de existência. Em função da sobreposição de registro com realidade, perde-se a noção de fronteira. O assunto plotado não tem autonomia e só existe em função da realidade em seu redor. A obra passa a ser tudo, a imagem, a realidade em torno da imagem, enfim, o espaço da exposição. Há um constante questionamento entre presença e ausência, conteúdo e forma.